Um líquido claro, de consistência semelhante a um lubrificante leve, que nada tem a ver com a umidade comum que acompanha a excitação nos genitais da mulher, e não é a urina. Um fluido muitas vezes tabu, e cuja existência foi discutida mesmo em seminários especializados. Agora não há dúvida: há mulheres que ejaculam e mulheres que não.

O primeiro a falar sobre isso foi Ernst Gräfenberg , o cientista alemão que deu nome ao ponto G, e a grande descoberta foi em 1981, quando a sexóloga americana Beverly Whiple publicou o caso de uma mulher que ejaculou em seu laboratório. Durante o clímax, ele emitiu uma grande quantidade de líquido.

Sua composição é principalmente uma mistura de fluido prostático, glicose e urina mínima. A próstata chamada de mulheres são glândulas uretrais e parauretrais que não são vistas a olho nu, mas estão na parede anterior da vagina. A ejaculação tem sido associada a mulheres cuja parede vaginal é mais espessa.

Entre os usuários de pornografia, é conhecido como esguichando .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *